domingo, 13 de outubro de 2013

“BELO FUTURO”: PROJETO SOCIAL DE TRABALHADORES DA INDÚSTRIA INVESTE NA FORMAÇÃO DE JOVENS.

Por Célia Ribeiro

Quando os primeiros raios de sol tocaram as verdejantes pastagens do Haras ZD, no último dia cinco de outubro, um grupo de adolescentes, que mal conseguiu dormir de ansiedade, comemorou a estiagem após uma semana de muita chuva. Tudo porque, algumas horas depois, aconteceria a formatura da 7ª. turma do Projeto “Belo Futuro”, à sombra de um imponente jatobá.

Grito de guerra no fim da solenidade
O dia claro, de céu azul praticamente sem nuvens, foi recebido como mais um presente pelos convidados: formandos e seus familiares, além de diretores e colaboradores da Bel Chocolates onde funciona a Belajuda. A ONG, criada em 2.003 pelos funcionários e incentivada pela empresa, possui vários projetos sociais e apoia outros tantos sendo o “Belo Futuro” aquele voltado à formação de um novo cidadão.

Formatura em dia de céu azul reuniu familiares e colaboradores da Bel
“O ‘Belo Futuro’ vem de um sonho de contribuir para a formação do jovem. Os professores são os funcionários voluntários, sendo que cada um fala um pouquinho de sua área de conhecimento e passa uma mensagem, principalmente de quais são os valores de uma empresa do bem, e a Bel se enquadra perfeitamente nesta questão”, explicou a presidente da Belajuda e gerente de Recursos Humanos da empresa, Ana Ramalho.
(Esq.) Ana Ramalho e Eloizi Dedemo Ferraz
com formanda da 7a. turma
Segundo ela, já passaram pelo projeto cerca de 200 alunos. Como os primeiros, que entraram com 15 anos, agora estão atingindo a maioridade, alguns estão sendo contratados pela Bel Chocolates. Em 2.013 foram registradas seis contratações e novas vagas devem ser abertas na medida em que houver demanda.

As aulas são ministradas na fábrica, aos sábados, no período da manhã. Além da preparação para o mercado de trabalho através do conhecimento de áreas como contabilidade, atendimento ao cliente etc, os jovens desenvolvem projetos sociais como forma de valorizarem o trabalho voluntário.

NOVOS HORIZONTES

O “Belo Futuro” tem como diferencial o fato de ser executado pelos próprios funcionários da Bel Chocolates, através da ONG Belajuda, numa via de mão de dupla que beneficia a todos: os adolescentes são preparados para o mercado de trabalho e a própria empresa se vale dessa mão-de-obra moldada segundo seus princípios.


Grupo chega ao fim do curso sonhando com o futuro

“Hoje, nossas necessidades de mão-de-obra com responsabilidade, com empenho, com noção do que se quer da vida, como a capacidade de sonhar, está se tornando muito difícil de encontrar. Então, vimos esta oportunidade de poder formar nossos adolescentes que têm contato com nossos funcionários”, observou Eloizi Dedemo Ferraz, coordenadora de Inteligência de Mercado e sócia-proprietária da Bel.

Jatobá imponente: inspiração para o projeto de plantar para colher no futuro
Entusiasmada, ela anunciou a duplicação das vagas para a 8ª.turma, em 2014: serão 60 adolescentes, a partir de 14 anos de idade. Em parceria com a Escola “Amélia Lopes”, próxima à indústria, na zona norte, serão encaminhados 10 jovens. Outras escolas também devem ser contatadas para disponibilização de vagas.
Paulo Sérgio Dedemo e Sra. Izabel, proprietários da Bel Chocolates
entregaram os certificados e brindes aos formandos.

“Eles estão chegando mais rápido pra gente e já chegam com princípios e valores muito parecidos com os da empresa. Isso já é meio caminho andado”, observou Eloizi sobre os jovens formados nas turmas anteriores e que vêm sendo aproveitados. Conforme disse, o projeto está contribuindo para formar cidadãos melhores, mais preparados e muito solidários. “No final do curso, muitos comentam que mudaram, amadureceram, melhoraram na escola e que até seus pais notaram a diferença”, pontuou.

Plantio de muda de "Ninho" é um marco no encerramento do curso
Na solenidade da semana passada, além de receberem certificado e brindes, os formandos plantaram uma muda de árvore da espécie “Ninho”. Já foram sete mudas desde a primeira turma simbolizando a crença no plantar e cuidar para colher no futuro. A escolha da sombra do Jatobá foi providencial: “A gente imagina que nosso trabalho é uma semente e que no futuro vai virar uma árvore forte e com muitos frutos”, concluiu Eloizi.

FAMILIA ORGULHOSA

Ao lado dos pais, Regina e Carlos, a jovem Monique Laura Leardine, de 16 anos, era uma das mais animadas no coquetel que se seguiu à formatura. Estudante da Escola “Amélia Lopes” que a encaminhou ao projeto, ela disse que o “Belo Futuro” abriu seus horizontes. “Minha expectativa é continuar estudando, procurar me aperfeiçoar nos estudos e começar uma faculdade para conseguir um bom emprego”, declarou. 
Monique e seus pais, Carlos e Regina.
Dos 22 encontros semanais que frequentou, Monique disse que tirou lições como “não pensar só na gente; também pensar nos outros e ajudar porque não somos só nós que temos problemas”. Um momento marcante para ela foi a visita a uma instituição filantrópica que cuida de crianças: “É muito bom pensar no outro e se doar”, disse.

Sorridentes, seus pais elogiaram a iniciativa da Belajuda: “Achamos muito bacana por ajudar nossa filha a enxergar o caminho certo, a caminhar sempre numa direção benéfica. Temos essa preocupação que ela se torne uma boa cidadã”, destacou Carlos Leardine.

Obs. Em junho de 2011, reportagem mostrou a ONG Belajuda. Clique aqui para conferir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário