domingo, 21 de julho de 2013

MUNDO ENCANTADO: PEDAGOGA DESENVOLVE BONECOS DE PANO PARA ESTIMULAR A IMAGINAÇÃO INFANTIL.

Por Célia Ribeiro

Encantando crianças do mundo inteiro, desde as primeiras versões de que se tem notícia, no século XIV, a fábula do “Chapeuzinho Vermelho” ganha contornos atuais quando se pensa nos perigos que rondam a infância, com predadores de toda ordem à espreita. Não existem mais florestas nas regiões densamente povoadas e muito menos o lobo-mau para devorar vovozinhas e garotinhas de capuz vermelho. No entanto, de maneira lúdica, as crianças podem aprender brincando sobre um tema tão sério.
Na floresta urbana, Natália e os personagens infantis
A opinião é da pedagoga Natália Arantes Sampaio, 26 anos, que junto com a mãe, Cibele Falcão Arantes, 53 anos, começou a confeccionar bonecos de pano por distração. O que era um passatempo, inspirado na avó Laieta, costureira de mão cheia, acabou se tornando um negócio de gente grande.
Momento da transformação
A explicação não poderia ser mais simples: as bonecas e bonecos são criados para aguçarem a imaginação dos pequenos. Por exemplo, uma boneca “04 em 01” reúne no mesmo corpo a vovozinha com a touca e os óculos característicos, a “Chapeuzinho Vermelho” com a cestinha de guloseimas, o lobo-mau e seu focinho pronunciado, e o caçador que leva apito e corda ao invés de espingarda. Em um jogo de tecidos os personagens aparecem e surpreendem!

Lobo-mau: uma das facetas da multiboneca





Tudo começou quando Natália pensou em presentear a sobrinha com um brinquedo diferente. Incentivada pela mãe, que além de bancária também costura e tem habilidade para trabalhos manuais, a pedagoga enveredou pelo caminho da criação. Com retalhos, sobras de materiais e outros aviamentos à mão, ela começou os primeiros trabalhos.

A princípio, os bonecos eram presenteados aos familiares e amigos próximos. Não tardou e começaram a chegar os pedidos graças à famosa propaganda boca-a-boca. Enfim, os bonecos escolheram sua criadora. A fama repentina, em função da criatividade e capricho dos trabalhos,cruzou fronteiras e Natália decidiu investir sério na confecção do artesanato que batizou de “Brincarte”.

SEGURANÇA

No período em que estagiou em escola infantil, Natália observou que as crianças têm pouco contato com o lúdico: “Não tem mais o brincar na rua. Tem criança que não conhece o lúdico, são muito século XXI”, disse, acrescentando que poder contribuir com o resgate de brincadeiras, ajudando as crianças a estimularem sua criatividade  é um verdadeiro presente.
Cibele: bancária, que adora costura, estimulou a filha
Cibele observou, por sua vez, que junto com as brincadeiras que utilizam os bonecos como recurso, poderão ser trabalhados temas importantes: “Não existe lobo-mau, mas existe o aliciador de criança”, assinalou, numa referência aos pedófilos e outros predadores que fazem milhares de vítimas indefesas em todo o mundo.
Chapeuzinho vermelho encanta as meninas
Natália contou que pretende iniciar um projeto de contação de histórias nas escolas, de maneira voluntária. “Não é para vender bonecos”, fez questão de frisar. Aliás, como a visão comercial parece estar mesmo em segundo plano, em breve a “Brincarte” vai chegar alçar voos mais altos.

Saci: em agosto, o folclore fica em alta
É que a irmã de Natália, Luiza Sampaio, participa de um projeto ambiental na África para onde levou algumas bonecas que fizeram muito sucesso entre as crianças do lugar. A ideia é orientar, à distância, o passo-a-passo para que as mulheres de Cabo Verde confeccionem seus próprios modelos, inclusive usando espécies em extinção, como as tartarugas, no lugar do rosto das bonecas de pano.

O Correio Mariliense publicará, domingo que vem, a reportagem que está sendo feita com Luiza Arantes Sampaio e Marina Bughi Valério, estudantes de Medicina Veterinária e Direito da Unimar. As universitárias estão em Cabo Verde desenvolvendo o Projeto “Mar & Ilha”.

Para contatar Natália Sampaio, escreva para: nahsampaio@hotmail.com O telefone é (14) 96284748

* Reportagem publicada na edição de 21.07.2013 do Correio Mariliense




2 comentários:

  1. Nossa!!! Quando era pequena tinha essa boneca, minha tia que fazia, virava lobo, chapeuzinho e vovó! Na época ela tbm fez sucesso com essa idéia!!! Adorava!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Adriana! Que bom que essa reportagem lhe trouxe boas recordações da infância. Apareça sempre por aqui. Um abraço

      Excluir