domingo, 17 de fevereiro de 2013

PROJETO COMUNITÁRIO AMPLIARÁ GERAÇÃO DE RENDA COM FÁBRICA DE HÓSTIA, NA ZONA NORTE DE MARÍLIA.

Por Célia Ribeiro

Previsões meteorológicasà parte, a manhã desta segunda-feira será iluminada para a comunidade de baixarenda estabelecida no entorno do Centro Comunitário São Judas Tadeu, na zonanorte. Após uma espera de quase dois anos, entrará em funcionamento a tãosonhada fábrica de hóstia do PROCRIA (Projeto Comunitário de Atendimento àCriança e ao Adolescente) que, além de reforçar as finanças do programa,contribuirá para a geração de renda às famílias diretamente envolvidas com otrabalho na linha de produção.
 
Sandra e Rose com as hóstias
 testadas em diferentes tamanhos
O CentroComunitário São Judas Tadeu, que em 2013 completará 35 anos, é um exemplo bemsucedido de articulação da comunidade em prol das necessidades dos menosfavorecidos. Na edição de 04 de setembro de 2.011, o Correio Marilienseregistrou ampla reportagem sobre o trabalho diferenciado que beneficia famíliasde baixa renda de diversos bairros, incluindo a favela da Vila Barros com seusquase 2.000 habitantes.

Naoportunidade, a fábrica de hóstia era um sonho a caminho da concretização: preferindoo anonimato, um empresário doou 35 mil reais para a reforma do prédio, ao ladoda Igreja São Judas Tadeu, e outro empresário doou 15 mil reais para aquisiçãodos primeiros equipamentos. Desde então, foram realizados diversos testes,houve problemas com a adequação do maquinário e toda sorte de dificuldades.

Cultura: aulas de música reunem crianças e adolescentes
Quem relataessa trajetória é a coordenadora administrativa do PROCRIA, Sandra de FátimaCordeiro Roim. Ela recorda que a equipe se preparou da melhor maneira: 10pessoas, entre membros do PROCRIA e familiares de crianças atendidas,participaram de um curso do SENAI sobre manipulação de alimentos eoperacionalização do maquinário. As obras do prédio também foram executadassegundo as normas sanitárias vigentes.

Apesar detodo empenho, os equipamentos apresentaram alguns problemas e temendo teremdificuldades para entregarem as futuras encomendas, os responsáveis peloprograma encaminharam um projeto ao Banco do Brasil para aquisição de umsegundo grupo de maquinários, que chegou recentemente.

Equipamentos doados por empresário e Fundação Banco do Brasil
 “Agora,podemos trabalhar sossegados sem medo de não conseguir atender aos pedidos”,explicou a coordenadora, acrescentando que, antes da inauguração oficial dafábrica, serão promovidas degustações para os padres das mais de 30 igrejas ecapelas de Marília para que conheçam o produto e possam fazer as encomendas.Futuramente, a meta é atender também as igrejas da região.
 
Reforço na alfabetização das crianças
SegundoRosemeire de Cristi, responsável pela fábrica, ainda não há previsão sobre acapacidade de produção de hóstias e nem do valor a ser cobrado. Em média, 1.000hóstias são vendidas entre 13 e 15 reais. São três tamanhos: 03 centímetros(0,6 gramas) para os fiéis, 7,8 centímetros para o sacerdote e outra maiorainda para as missas campais. As hóstias são confeccionadas a partir de farinhae água e todo o processo é mecanizado, sem contato manual.

OPORTUNIDADE DE TRABALHO

Mães decrianças e adolescentes atendidos pelo programa trabalharão na fábrica. Elasforam selecionadas e treinadas para exercerem essa nova atividade e, com isso,melhorarem a renda familiar. “São pessoas que precisam trabalhar e têm filhosaqui desde pequenos”, assinalou a coordenadora.
Produção terá rigoroso controle na padronização
Com 17 anosde existência, o PROCRIA conseguiu se firmar entre as experiências exitosas deprojetos sociais. Começou atendendo 30 crianças e hoje já assiste 300 criançase adolescentes, de 06 a 18 anos, oferecendo atividades educacionais, esportivase culturais, ensino de espanhol, formação profissionalizante etc. Entre osrequisitos para estar no projeto, a renda familiar (até 02 salários mínimos) édeterminante para beneficiar os realmente necessitados.

O PROCRIAconta com apoio da Prefeitura Municipal desde sua implantação, através deprofessores, fornecimento da alimentação e de transporte. “Independente doprefeito, a Prefeitura sempre foi uma grande parceira”, destacou Sandra Roim.Ela informou que também o atual prefeito, Vinicius Camarinha, quando deputadoestadual, fez importantes contribuições ao projeto. Por exemplo, ele conseguiu100 mil reais da Secretaria Estadual da Assistência Social para a cobertura daquadra esportiva, que será inaugurada em março.

Xadrez: auxílio na concentração
Algumasempresas também já contribuíram muito com o projeto, como a Marilan e outrasdão apoio a projetos específicos. É o caso do Tauste que, através da campanhaPanetone Solidário de 2.012, reverterá cerca de 90 mil reais para as obras dereforma da cozinha e refeitório da entidade.

PROFISSIONALIZAÇÃO

Crianças eadolescentes em situação de risco social encontram no PROCRIA um porto seguropara se desenvolverem e alcançarem seus sonhos. Um dos caminhos percorridos éda preparação para o encaminhamento ao mercado de trabalho. Uma parceria com oBanco do Brasil garante vagas para o “Aprendiz Trabalhador”, na faixa dos 14aos 24 anos. Mas, muitas empresas também recorrem ao projeto quando precisam demenores diferenciados para seus postos de trabalho.

Enquanto areportagem do Correio Mariliense registrava a fábrica de hóstia, um telefonemado Banco do Brasil anunciou a abertura de mais uma vaga. O corre-corre foigeral. Visivelmente emocionadas, as coordenadoras comemoravam a boa nova. É que08 adolescentes estão prontos para serem enviados à seleção do banco: em comumeles são de famílias de baixa renda, têm boas notas na escola e comportamentoadequado na entidade.
Instalações seguiram os rigorosos padrões da Vigilância Sanitária
A parceriacom a Fundação Banco do Brasil vem de longa data. Anualmente, 120 crianças eadolescentes participaram de atividades esportivas na sede da AssociaçãoAtlética Banco do Brasil dentro do Programa AABB Comunidade.

Já oColetivo Coca-Cola, do Instituto Coca-Cola Brasil, realiza no PROCRIA cursos dedois meses de duração para preparação ao mercado de trabalho (atacado evarejo). Gratuitamente, a cada 60 dias, são abertas 120 vagas para os adolescentes.O próximo curso terá início no dia 25 de fevereiro. Informações podem serobtidas diretamente no Centro Comunitário (telefone 34548955).

Paraconhecer mais sobre o programa ou fazer contribuições aos projetos mantidospela entidade, escreva para: ccsjtadeu@terra.com.br.O endereço do PROCRIA é Rua Ribeirão Preto, 696, ao lado da Igreja São judasTadeu, em Marília.

* Reportagem publicada na edição de 17.02.2013 do Correio Mariliense

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário