domingo, 19 de fevereiro de 2012

COM EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL ONG REVOLUCIONA O ATENDIMENTO AOS JOVENS

Por Célia Ribeiro

Numa época em que meninos e meninas se vêm diante de vários caminhos, sem noção da melhor escolha a seguir, uma instituição dirigida pelos colaboradores da Unimed de Marília, qual farol na escuridão do mar, pisca as luzes convidando os adolescentes a vivenciarem experiências que lhes servirão de alicerce para a vida adulta. É a Unijovem, ONG criada há nove anos, que ocupa posição de destaque entre as iniciativas exitosas de promoção dos adolescentes.
Adolescentes assistidos pela ONG
Em reportagem publicada dois anos atrás, o “Correio Mariliense” mostrou o trabalho da entidade mantida com recursos da cooperativa de médicos e administrada por seus colaboradores, que dedicam tempo e energia voluntariamente. A novidade é que a Unijovem passou por uma transformação com a chegada da consultora Maria Estela Monteiro, há um ano.

Estela Monteiro
Com vasta experiência, a assistente social e professora universitária conseguiu levar para a ONG uma proposta de geração de renda que por pouco não acabou: a fabricação de sabão artesanal (a partir de óleo usado) por um grupo da terceira idade. De quebra, aproveitou outro projeto de produção de sacolas retornáveis, utilizando embalagens de leite longa vida do grupo Bel Chocolates (Laticínios Hércules).

A ligação entre as duas áreas, aparentemente tão diferentes, Estela conseguiu nos cursos oferecidos aos adolescentes: Auxiliar Administrativo, Atendente e Vendas. Como trabalho de conclusão de curso, o famoso TCC, os jovens devem criar estratégias para vender os sabões e as sacolas, além de elaborarem planilhas de custos e rotinas administrativas. Ou seja, todos saem ganhando.

Para as famílias das nove idosas beneficiadas pelo projeto, a produção do sabão artesanal representa uma renda extra, entre 200 e 300 reais mensais. Elas  vendem a produção, a 50 centavos a unidade, aproveitando toda oportunidade, da espera no posto de saúde ao transporte coletivo, passando pelos mini-mercados dos bairros. Basta oferecer que a clientela é garantida.
Terceira idade valori\zada
No caso das sacolas retornáveis, a Bel Chocolates, mantenedora da Belajuda, forneceu a matéria prima (bobinas de embalagem Tetra Pak de Leite Hércules), o maquinário e comercializa a produção. Já há 2.000 unidades vendidas e o lucro será dividido entre as entidades.

SOLIDARIEDADE

 O projeto do sabão artesanal, iniciado por Estela Monteiro há alguns anos, só não naufragou devido ao apoio de parceiros, como a escola de idiomas Fisk. Campanhas entre os alunos arrecadavam óleo usado, além de custearem outra matéria prima, a soda. Agora, em instalações adequadas na Unijovem, a fabricação de sabão continua contando com o apoio da escola que ampliou sua participação ao conceder, também, bolsas de estudo integrais a grupos de adolescentes assistidos pela ONG.
Vendido a R$ 0,50, sabão gera renda



Segundo explicou Estela Monteiro, a Unijovem arcou com os custos do material didático para um grupo de 10 alunos, em 2011, e a escola Fisk deslocou um professor  para dar as aulas, uma vez por semana, na sede da ONG. A única diferença é que o curso normal tem 06 meses e o básico na Unijovem tem duração de 08 meses para que os adolescentes possam estar em condições de seguirem com os alunos do Fisk, na própria escola de idiomas, a partir do segundo livro.

A experiência deu tão certo que, em 2012, a ONG adquiriu os livros para a turma do segundo ano e a escola de idiomas manteve as bolsas de estudo: 100% para o livro no. 01 (aulas na Unijovem) e para o livro no. 02 (aulas no Fisk). Em 2013, quando a primeira turma chegar ao livro no. 03, a ONG pagará 50% do material didático e a partir do quarto livro, os alunos deverão arcar com esse custo. As bolsas do Fisk, no entanto, permanecerão integrais a todos os atendidos.
Óleo usado em estoque
Para a consultora de projetos, tudo foi pensado de modo que os adolescentes valorizem as oportunidades recebidas. Por exemplo, eles colaboram na fabricação de sacolinhas usadas pela Farmácia da Unimed (4.000 unidades mensais). Da mesma forma, auxiliam o grupo que confecciona as sacolas retornáveis da Bel Chocolates, cujo braço de responsabilidade social é a ONG  “Bela Ajuda”, composta por colaboradores da indústria.

 COMPROMETIMENTO

 Além dos cursos profissionalizantes, a Unijovem oferece diversos projetos culturais e esportivos para mais de 230 jovens, como as escolinhas de futebol de salão e basquete, grafite, teatro de rua, coral e música: “São projetos muito sedutores. Por isso, fazemos um acompanhamento do desempenho escolar do adolescente, verificando o boletim. Se ele tiver notas baixas, vamos chama-lo e adverti-lo que estará fora no semestre seguinte se não melhorar”, sentenciou Estela Monteiro.
Sacolas retornáveis de embalagem de Leite Hércules
Conforme disse, “a gente entende que para o jovem a ONG não pode ser mais importante que a escola. Tem que melhorar as notas para continuar. Para muitos, é melhor jogar basquete e futebol do que estudar. Mas, não é isso que o projeto quer. Nós queremos harmonia”. Por isso, a família tem papel fundamental. Os pais são chamados às reuniões e acompanham a evolução dos filhos.

Estela mostra sacolinha feita na ONG
SUSTENTABILIDADE

Na semana passada, uma boa nova chegou à Unijovem. Ao participar de uma reunião na Associação Comercial e Industrial de Marília, Maria Estela Monteiro levou as sacolas retornáveis  e os sabões artesanais. Na ocasião, estavam presentes representantes da Associação Paulista de Supermercados (APAS) que, junto com um grupo, visitou a ONG na última terça-feira.

Como resultado desse contato, uma parte do óleo usado, que alguns supermercados recebem dos clientes trocando por outro frasco de óleo novo, será repassada ao projeto do sabão. Além disso, há planos para alguns supermercados implantarem um cantinho sustentável com a venda de produtos alternativos, como os sabões artesanais e as sacolas retornáveis de entidades.

Pelo visto, esse é apenas o começo de uma nova e produtiva fase para a ONG que está promovendo, sem assistencialismo, os jovens de baixa renda de Marília. A Unijovem fica na Avenida Campinas, 67 (perto da Santa Casa). O telefone é (14) 32218388. Para mais informações, acesse o site www.unijovem.com.br
Um dos grafites da sede
As reportagens citadas nesta matéria podem ser conferidas aqui:  Belajuda - http://bit.ly/wy32yY , Estela Monteiro - http://bit.ly/zD8ToS , Unijovem - http://bit.ly/AlQKyL  e Fisk - http://bit.ly/zuPGvK 

 * Reportagem publicada na edição de 19.02.2012 do Correio Mariliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário