sábado, 31 de dezembro de 2011

RETROSPECTIVA 2011: BONS EXEMPLOS DOS QUE CONTRIBUIRAM PARA MELHORAR A VIDA DOS MARILIENSES

Por Célia Ribeiro

O ano de 2011 foi muito rico em experiências inovadoras. Muitas pessoas, empresas e instituições ousaram, acreditaram em seus sonhos e contribuíram para melhorar a vida dos marilienses através de projetos sociais e investimentos em sustentabilidade. Vamos recordar, na edição de hoje, algumas das reportagens selecionadas. Todas as 88 matérias e notas publicadas ao longo do ano podem ser lidas neste blog. Basta clicar na barra lateral onde as reportagens estão separadas por mês.

Fevereiro
Coleta seletiva na escola
Escola Fisk: A preocupação em economizar energia elétrica, realizar a coleta seletiva de lixo e manter um pedacinho da natureza em todos os ambientes da escola é apenas uma pequena parte de um conceito global da Escola Fisk: os cerca de dois mil alunos que frequentam os cursos trabalham a questão da sustentabilidade e da solidariedade no dia-a-dia.
Segundo a diretora e sócia-proprietária, Sílvia Sampaio, “os alunos participam de todos os projetos sociais e ambientais. Desde a coleta de roupas e objetos para doação, até a campanha do óleo usado, eles se engajam de verdade e os resultados são melhores a cada dia”.


Março

Campanha da Fraternidade: Deus sempre nos perdoa. A natureza não”. A frase, lançada durante a entrevista sobre a Campanha da Fraternidade 2.011, pelo padre Marcos Roberto Marques Ortega, é autoexplicativa. O planeta não suporta mais as agressões do homem e se manifesta em incontáveis desastres ambientais, contabilizando um nefasto saldo de perdas materiais e, pior que isso, de milhões de vidas. A sustentabilidade foi discutida entre os fiéis pela igreja católica.

Viveiros da Fundação Bradesco em Marília
Fundação Bradesco: Em Marília, com a participação dos alunos, desde 2.005 os viveiros da Fundação Bradesco produzem e entregam cerca de 700 mudas por mês, cujo plantio e desenvolvimento são acompanhados pelo engenheiro agrônomo Gefferson Marconato. Os alunos de todos os cursos têm papel fundamental neste processo: “Eles participam do ciclo completo, da coleta de sementes, da quebra de dormência, do plantio e dos cuidados nos viveiros”, observou para destacar, em seguida, que os estudantes têm educação ambiental na prática incorporando os conceitos de sustentabilidade que levarão para a vida adulta.

 Abril

Equipe da Gota de Leite que
foi beneficiada em 2011
Tauste Ação Social: Praticamente todas as entidades de Marília já foram beneficiadas pelo grupo: “Desde o início, o Tauste traz em seu DNA a consciência da responsabilidade social que uma empresa deve fomentar. Marília possui uma extensa e importante rede assistencial que atende de forma humana e eficiente as diversas demandas da população mais carente, não apenas local, mas regionalmente. Através de parcerias, o Tauste tem atuado de forma contundente junto a estas entidades, a Secretaria Municipal de Educação, clubes de serviços e outras organizações que visam a melhoria na qualidade de vida da nossa gente”, informou o coordenador do “Tauste Ação Social”, Guilherme Rodrigues da Cunha.

Voluntários preparam almoço no Centro Espírita Luz e Verdade

Centro Espírita Luz e Verdade: A fila em frente à entidade, na rua XV de Novembro, começa antes de o sol nascer. Desde 6h, quando o burburinho de voluntários podia ser ouvido da calçada, engenheiros, advogados, médicos, professores, donas de casa, aposentados e trabalhadores em geral se revezam nas tarefas. A alegria é contagiante e nem parece que todo mundo saiu da cama de madrugada, em pleno domingo. A missão é servir o café da manhã, atender as famílias que assistem palestras e depois levam o almoço para casa. Além da assistência espiritual, as famílias cadastradas recebem cestas básicas, roupas, calçados e todo tipo de ajuda, graças aos abnegados voluntários.

Maio

A beleza dos jardins do Univem (Foto Ivan Evangelista)
Univem: O Centro Universitário Eurípedes de Marília, entidade reconhecida pela qualidade de ensino e berço de renomados profissionais, tem se destacado por um projeto de sustentabilidade modelo. O respeito ao meio ambiente não é apenas ensinado em sala de aula. Toda a comunidade acadêmica, incluindo os colaboradores dos diferentes setores, participa ativamente do trabalho que simboliza uma declaração de amor à natureza. Tudo o que pode ser aproveitado encontra uma destinação correta, explica a consultora de Jardinagem e Paisagismo, Lilian Aparecida Marques de Oliveira. Reciclagem de lixo, produção de sabão, oficina de bambu, entre outros, são algumas das atividades ali desenvolvidas.

 Junho
Colaboradores integram a ONG
da indústria de chocolate
Belajuda: O delicioso aroma do chocolate invade o ambiente. Para muitos “chocólatras”, trabalhar numa empresa assim seria um verdadeiro sonho. Mas, com olhar atento o que se vê é apenas a superfície de uma ideia inovadora que conseguiu levar a solidariedade ao chão de fábrica. Com unidades em Marília (Bel Chocolates) e Herculândia (Laticínios Hércules), o grupo Bel S/A emprega 700 colaboradores diretamente e outros 300 indiretamente. As campanhas tradicionalmente realizadas no mês de julho, por conta do aniversário da empresa, geraram ações sociais tão bem sucedidas que o caminho natural foi a criação de uma organização não governamental: a Associação Beneficente Belajuda que atua com apoio a diversos projetos sociais.

 Julho
Horta orgânica irrigada com água da chuva coletada em cisterna
Educação de Jovens e Adultos: O CEEJA “Professora Sebastiana Ulian Pessine” é um dos pioneiros na implantação de boas práticas sustentáveis. Por exemplo, adotou a coleta seletiva de lixo há alguns anos e foi premiado pelo projeto que utiliza água da chuva armazenada numa grande cisterna. Aliás, é essa água que irriga a horta e o pomar onde árvores frutíferas começam a produzir bem no coração da cidade.

Agosto

Lavanderia comunitária: Numa manhã fria, os varais cheios de roupas coloridas e um quarador próximo ao alambrado não deixam dúvida: chegamos à lavanderia comunitária da zona sul. Instalado estrategicamente em frente à Paróquia Santa Rita de Cássia, no bairro Nova Marília, o sistema de lavagem manual de roupas vem de longos anos e garante o sustento para inúmeras mulheres de baixa renda que tiram dali, pelo menos, um salário mínimo por mês. Elas chegam bem cedo --- antes das 6h30 --- e só vão embora ao final da tarde porque o trabalho, totalmente artesanal, exige atenção constante para que nenhuma roupa saia manchada do molho, explica a vice-presidente da Associação de Moradores do Nova Marília e coordenadora do grupo, Laudite Ferreira Gaia Vieira.
Setembro
Fernando, Paulo, Paula, Marcelo e Lupércio:
sócios-proprietários do Chaplin
Chaplin: Patrimônio gastronômico de Marília, desde 1.981, milhares de clientes têm alguma história para contar do Chaplin, o restaurante e pizzaria que as pessoas têm o prazer de apresentar aos parentes e amigos em visita à cidade. O que pouca gente sabe é que, por trás da gigantesca engrenagem, que faz tudo funcionar como um relógio suíço, está uma preocupação ambiental levada a sério nos mínimos detalhes. Para começar, o forno da pizzaria utiliza apenas madeira de reflorestamento. As embalagens (vidros, latinhas de alumínio, tampinhas, plástico e papelão) são doados a um coletor de recicláveis que tira dali o sustento de sua família. Da mesma forma, o óleo das fritadeiras tem destino certo: uma empresa certificada recolhe e transporta o material até a cidade de Sumaré, na região de Campinas.

 Outubro
Futuros agrônomos na Fazenda Experimental da Unimar
Unimar: Considerado celeiro do mundo, o Brasil tem todas as condições para aumentar a produção de alimentos, suprir o mercado interno e exportar o excedente, contribuindo para o saldo positivo da balança comercial do País.  No entanto, não basta produzir. É preciso garantir a sustentabilidade ambiental, social e econômica. Essa visão, que parece de especialista do agronegócio, na verdade é encontrada na nova safra de engenheiros agrônomos que a Universidade de Marília (Unimar) está colocando no mercado. Acompanhada do professor Ronan Gualberto, ouvimos quatro estudantes na Fazenda Experimental: Bruno Felipe Gea Fernandes, Leonardo Pinhel, João Fernando Freitas e Luís Fernando Sgorlon. Os quatro futuros agrônomos foram unânimes em defender o uso racional de agrotóxicos, investindo em melhoramento genético para obter sementes resistentes às pragas e doenças e no controle biológico.

Novembro
Arte sacra é um dos destaques
Márcia de Oliveira: Os pescadores de fim de semana são alguns dos inúmeros personagens saídos da imaginação da artesã Márcia de Oliveira. Psicóloga de formação e renomada jornalista, nascida em Botucatu e que adotou Marília para viver, ela transforma em arte muitas coisas aparentemente inservíveis: cascas de amendoim e castanhas, folhas secas, caixinhas de fósforo, cacos de azulejo e cerâmica, além de recicláveis como papelão, garrafas PET, garrafas long neck etc. Aproveitando as vantagens da internet, atualmente a artesã produz muitas peças sob encomenda e despacha para todo o Brasil, com preços que variam de 15 a 80 reais. A arte sacra é um dos pontos fortes do seu trabalho. Os oratórios feitos em caixas de fósforo fazem o maior sucesso, assim como os santos muito solicitados por colecionadores. Fotos das criações estão disponíveis no seu perfil do Facebook.

Dezembro
Grupo de artesanato une
as mães de crianças com câncer

GAACH: Se cair um fio de lã no chão, vira arte. Nada é desperdiçado e qualquer sobra de material ou embalagens descartadas ganham nova vida em objetos criativos com acabamento impecável. O diferencial é que, antes de gerarem renda para as famílias, as tardes de terça-feira funcionam como um elixir de esperança, unindo as mães que têm filhos com câncer e hemopatias (doenças do sangue). A casa ampla e arejada, “melhor que casa de mãe e casa de sogra”, na avaliação bem humorada da ceramista Silza Más Rosa, fica na Rua Alfeu Cezar Pedrosa, 63 (em frente à escola Orbe). É a sede do GAACH (Grupo de Apoio à Criança com Câncer e Hemopatias), entidade filantrópica que, desde 2.003, tornou-se um porto seguro para famílias que vêm a Marília para o tratamento oncológico e de doenças como anemia falciforme, hemofilia etc. Um belo exemplo de que a solidariedade opera milagres.

BOAS FESTAS 

Aos leitores do Correio Mariliense e deste blog que nos prestigiaram em 2011, desejamos muita paz, saúde e sucesso em todos os dias de 2012. Em janeiro, retornamos com reportagens inéditas mostrando o que de melhor tem Marília nas áreas social e de sustentabilidade ambiental. Feliz Ano Novo!!!

* Retrospectiva publicada na edição de 31.12.2011 do Correio Mariliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário